Sobrecarga feminina em casa e no trabalho

As mulheres estão cada vez mais exaustas em razão da rotina no ambiente doméstico, profissional e até mesmo, no pessoal

Stephanie Zalcman é diretora Técnica de Operações e Estruturação da Wiz Soluções em Seguros e diretora Operacional da Sou Segura

(*) Por Stephane Zalcman

As mulheres estão cada vez mais exaustas em razão da rotina no ambiente doméstico, profissional e até mesmo, no pessoal – na maior parte das vezes em todos, ao mesmo tempo.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), fatores psicossociais – interações entre meio ambiente e condições de trabalho – podem ser de proteção, quando são benéficos e promovem a saúde integral, ou de risco, quando causam prejuízo à saúde da pessoa. A sobrecarga física e mental de trabalho pode levar ao cansaço excessivo, desmotivação e ao desenvolvimento de doenças.

O desequilíbrio entre homens e mulheres na divisão do trabalho doméstico e parental e nos cuidados com outras pessoas, incluindo amigos e parentes, é um dos fatores que pressiona demasiadamente as mulheres.

Antes da pandemia, dados do IBGE de 2019 mostraram que a mulher já dedicava, em média, 18,5 horas semanais a tarefas domésticas e cuidados com pessoas da família, crianças e idosos.

Por sua vez, os homens dedicavam 10,3 horas semanais nessas mesmas atividades. Com a vida “de volta ao normal”, a carga aumentou.

De acordo com o relatório “Esgotadas”, da ONG Think Olga, hoje, elas dedicam, em média, 21,4 horas semanais às tarefas domésticas enquanto eles, quase a metade disso, 11 horas.

Na pandemia, elas estiveram extremamente cansadas, preocupadas com a manutenção de seus empregos, com a carga de trabalho e com a renda familiar, além de cuidando dos filhos sozinhas com a falta de rede de apoio no isolamento.

Para muitas mulheres, a situação ocasionada pela pandemia permanece até hoje, pois o home office transformou a casa, que era o seu lar e uma válvula de escape para o estresse do trabalho, em um escritório.

A rotina profissional passou a se misturar com as tarefas do dia a dia. De lá pra cá, a taxa de mulheres brasileiras que já tiveram diagnóstico de ansiedade (27%) e depressão (20%) tem sido o dobro da registrada entre os homens (14% e 10%, respectivamente), segundo pesquisa Datafolha recente.

Diversos estudos apontam que o esgotamento mental, também conhecido como síndrome de burnout, é 25% maior entre as mulheres. As mulheres são as mais atingidas pelo problema por suas características femininas ligadas ao perfeccionismo e à vocação para a proteção. Tomam para si obrigações domésticas e familiares, e comumente se sentem devedoras e insuficientes, acreditando sempre, que em alguma área estão deixando a desejar.

A sobrecarga de trabalho, dentro e fora de casa, a pressão financeira e o desafio de conciliar múltiplas tarefas, incluindo a rotina de cuidados com crianças e idosos, estão entre os fatores que mais têm impactado a saúde emocional das mulheres no Brasil, de acordo com o relatório “Esgotadas”. A jornada excessiva de trabalho foi a segunda causa de descontentamento mais apontada por mulheres na pesquisa.

Mulheres em todos os níveis sociais e cargos precisam de atenção com a saúde mental. Segundo o levantamento Women in the Workplace 2021, as mulheres na liderança, responsáveis pela gestão de equipes, apresentam níveis ainda mais elevados de esgotamento, com mais de 50% das gerentes entrevistadas revelando que costumavam ficar ou quase sempre ficavam, esgotadas.

Excesso de responsabilidade, ausência de apoio frente a tarefas que exijam alto grau de execução, além das cargas e pressões frequentes a fim de resguardar e garantir respeito e reconhecimento frente aos colegas de trabalho, estão entre os motivos do problema entre as líderes. Também pesa o fato de que, apesar de terem mais estudo, a renda feminina ainda é inferior à dos homens na liderança. Exaustão, irritabilidade e a sensação de que não se consegue dar conta de tudo estão entre as principais características dos pacientes identificados com a síndrome de burnout.

Em geral, aquelas que têm ambição mais notória, acentuado impulso competitivo, se cobram muito, são perfeccionistas e que consideram muito a opinião alheia, além de pessoas muito estudiosas e apaixonadas pelo trabalho, como eu, são as mais afetadas pela síndrome.

Se superar, significa também extrapolar e, assim como tudo na minha vida, sempre quis fazer e dar mais do que muitas vezes o meu corpo me permitia. Foi quando, há cinco anos, tive um AVC transitório em decorrência de uma crise de burnout. O AVC me fez enxergar que precisamos dar mais valor à nossa saúde, à nossa família e ao nosso entretenimento, deixando de lado, inclusive, amizades que cobram mais do que dão, pois isso também acaba consumindo e muito as mulheres e todos estes fatores precisam de atenção redobrada.

Precisamos aproveitar tudo o que as realizações podem nos oferecer de bom, e ter uma vida plenamente saudável, cuidando da mente, do corpo, da alimentação e do sono – senão, de que vale tanto esforço? Na família, precisamos seguir a orientação das aeromoças em relação ao uso de máscaras de proteção: precisamos cuidar de nós em primeiro lugar, para que possamos cuidar dos nossos, depois também.

O amor próprio deveria ser a meta de qualquer pessoa, pois é fundamental que estejamos bem, para poder amar os outros também. Não se cobre tanto! Não é sua obrigação carregar tudo nas costas, não é sua obrigação fazer com que todos fiquem bem.

Não adianta desabar aos poucos, para sustentar os outros em pé. Não é egoísmo pensar um pouco em você. Pense nisso!

(*) Stephanie Zalcman é diretora Técnica de Operações e Estruturação da Wiz Soluções em Seguros e diretora Operacional da Sou Segura (Associação das mulheres no mercado de seguros)

(Fonte: www.agenciasegnews.com.br)

Compartilhe

Sobrecarga feminina em casa e no trabalho

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Veja também!

Você pode gostar dessas outras notícias

É preciso se atentar aos cenários climáticos

A COP 28, trouxe como principal ponto a transição energética, destacando o fim do uso dos combustíveis fósseis e o fortalecimento das energias renováveis.

A importância da felicidade nas empresas: construindo ambient...

Mas o que a felicidade de uma pessoa tem a ver com a empresa? Leia o artigo completo em nosso portal

Hora de mudar o modelo de Planos de Saúde

A necessidade de se repensar os planos de saúde, principalmente dando ênfase aos programas de Atenção Primária à Saúde (APS), foram o foco de recentes e importantes an...

O protagonismo do mercado de seguros diante das mudanças clim...

A indústria de seguros tem a responsabilidade de fazer sua parte para frear o avanço das mudanças climáticas ao posicionar a sustentabilidade no centro da gestão de ri...

Segurion - Corretora de Seguros
R. Bandeirantes, 31 - 1º andar - Vila Monte Serrat, Cotia - SP, 06717-205
Copyright © 2024
Segurion - Corretora de Seguros
R. Bandeirantes, 31 - 1º andar - Vila Monte Serrat, Cotia - SP, 06717-205
Copyright © 2024
Atendimento por WhatsApp
Corretor
Luiz Carlos
Atendimento de Segunda à Sexta das 08h às 18h.
Atendimento por WhatsApp
Corretora
Rosana Cristina
Atendimento de Segunda à Sexta das 08h às 18h.
Atendimento por WhatsApp
Corretor
Luiz Carlos
Atendimento de Segunda à Sexta das 08h às 18h.
Atendimento por WhatsApp
Corretora
Rosana Cristina
Atendimento de Segunda à Sexta das 08h às 18h.

Segurion - Corretora de Seguros

Copyright © 2024

Este site utiliza cookies para garantir que você tenha a melhor experiência. Ao clicar em 'ok" e continuar navegando, você concorda com a nossa política de privacidade